| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Boletim ECOLÓGICO Online
Desde: 02/02/2010      Publicadas: 90      Atualização: 24/02/2016

Capa |  Pró-Fundação Sabor Natureza  |  Carváo Náo  |  Clima  |  ECOLÓGICO Notícias  |  ECOTV  |  Entrevistas  |  Mobilidade  |  Mundo  |  Opinião  |  País  |  RádioECO  |  Reportagens  |  ViVerdeBambu


 Mundo

  15/01/2016
  0 comentário(s)


Presença humana no Ártico é mais antiga do que se pensava

Os seres humanos estiveram no Ártico há 45.000 anos, 10.000 anos antes do que se pensava: é o que indicam marcas de pontas de flechas e outros objetos pontiagudos observados na carcaça congelada de um mamute, segundo um estudo russo publicado nesta quinta-feira (14) nos Estados Unidos.

Esta descoberta poderia contar o exemplo mais antigo de sobrevivência no Ártico, onde os índices paleolíticos humanos são raros, de acordo com esses pesquisadores, cujo trabalho aparece na revista Science. Em 2012, uma equipe liderada por Alexei Tikhonov, do Museu de Zoologia da Academia de Ciências de São Petersburgo, na Rússia, escavou uma carcaça parcial de um mamute macho que foi congelado em sedimentos em um penhasco na costa leste Yenisei Bay, no centro da Sibéria ártica. A datação por radiocarbono de uma tíbia do animal e dos materiais que estavam perto datam de 45.000 anos. O esqueleto de mamute mostra sinais de lesões incomuns no litoral, na defesa e mandíbulas direita. As marcas são provavelmente resultado de pontas de lança muito afiadas, analisaram os cientistas. Os ramos mandibulares, parcela crescente do osso da mandíbula que é muito resistente, estão na maior parte do tempo intactos quando são descobertos. Mas nos vestígios mais recentes de mamutes abatidos por humanas, as mandíbulas estão frequentemente incompletas, o que poderia ser resultado da extração da língua, supõem. Os caçadores muitas vezes comiam a língua dos mamutes, uma espécie de ritual ou porque essa parte do animal era considerada uma iguaria, disseram os pesquisadores. A única presa preservada deste mamute, a da direita, mostra traços do trabalho humano para alterar sua forma. Assim, estas marcas indicam uma tentativa para separá-lo do resto do corpo. No entanto, a extremidade exterior da presa, normalmente pouco nítida, foi transformada em uma ferramenta, de acordo com várias técnicas observadas depois no Árctico. Estes homens faziam longos cacos de marfim afiados para cortar carne numa região onde outros materiais líticos eram difíceis de encontrar. Avanços nas técnicas de caça de mamutes permitiram que esses grupos se espalhassem na parte norte da Sibéria ártica, estimam os autores. Estes movimentos representaram um importante ponto de viragem que provavelmente facilitou a chegada dos seres humanos em áreas perto da terra de Bhering " que na época estava acima da água. Assim, foram capazes de entrar no continente americano antes do Último Máximo Glacial alcançado há 22.000 anos, dizem os pesquisadores. (Fonte: UOL)


  Mais notícias da seção Pesquisa no caderno Mundo
19/01/2016 - Pesquisa - Aquecimento global: oceanos absorvem cada vez mais calor, diz estudo
Os oceanos, que capturam 90% do calor adicional gerado pelo aquecimento global, absorveram nas últimas duas décadas a mesma quantidade absorvida desde 1865 " é o que diz um estudo publicado nesta segunda-feira na revista Nature Climate Change....



Capa |  Pró-Fundação Sabor Natureza  |  Carváo Náo  |  Clima  |  ECOLÓGICO Notícias  |  ECOTV  |  Entrevistas  |  Mobilidade  |  Mundo  |  Opinião  |  País  |  RádioECO  |  Reportagens  |  ViVerdeBambu
Busca em

  
90 Notícias


ECOLÓGICO Notícias
 

Alternativas & Inovações

 

Mobilização da sociedade e apoio internacional podem recuperar o Rio Tubarão

 

Alternativas & Inovações

 

Recuperação das águas, saneamento e matas ciliares, Fundação Biosfera poderá apontar soluções

 

Pesquisa

 

Mortandade no Sinos: análise aponta produtos agroquímicos na água

 

Eventos

 

Abertura da Semana do Meio Ambiente de Tubarão

 

Nascentes

 

Indústria de Fosfatados Catarinense: Cresce número de órgãos contra a IFC

 

Nascentes

 

Rio Fortuna debate a Fosfateira


ECOTV
 

Parceiros

 

Sustentabilidade e a sociedade para o desenvolvimeto turisco do sul de Santa Catarina

 

Política

 

Laguna adere a Ação contra a Fosfateira de Anitápolis

 

Nascentes

 

Monitoramento do Rio Tubarão da foz as nascentes


Entrevistas
 

Energia

 

Publicação coloca em xeque a necessidade de Belo Monte

 

Internacionais

 

Cheias no Rio: OMM sugere maior coordenação com defesa civil


Opinião
 

Urbanismo & Cidades

 

Iluminação do ponte pênsil de Tubarão, qual sua opinião?

 

Legislação

 

Mariana e Anitápois o que há em comum?

 

Legislação

 

Código Florestal: processo de reforma precisa de novos rumos

 

Saúde

 

A pendenga do incinerador de Laguna-SC


Reportagens
 

Alternativas & Inovações

 

Fundação Biosfera propõe apoio internacional na recuperação da Bacia Hidrográfica do Rio Tubarão e Complexo Lagunar

 

Internacionais

 

Após tragédia, Brasil discute falta de preparo para desastres, diz "NYT"


Pró-Fundação Sabor Natureza
 

Internacionais

 

Vote no Boletim ECOLÓGICO no shortyawards


RádioECO
 

Internacionais

 

Após reunião com com Dilma, Banco Mundial anuncia empréstimo ao Rio